Corvo, a ilha preta

O avistamento do Corvo pelo navegador português Diogo de Teive terá ocorrido em 1452, na mesma altura em que as Flores foram descobertas. Devido à dimensão, o pequeno território não desperta grandes atenções por parte dos povoadores dos Açores. O estado natural quase puro é quebrado em meados do século XVI, quando o capitão-donatário Gonçalo de Sousa envia um grupo de escravos para o Corvo, provavelmente oriundos de Cabo Verde, com a tarefa de se dedicarem ao cultivo da terra e criação de gado. Por volta de 1580, um contingente de colonos vindos das Flores aumenta a população local.” –  Turismo do Corvo

Quando se viaja até à Ilha das Flores, é praticamente obrigatório incluir no roteiro a visita à Ilha do Corvo, dada a sua proximidade. Como as nossas férias este ano foram na Ilha das Flores, não perdemos a oportunidade de conhecer mais uma ilha e vamos partilhar tudo convosco!

Como chegar ao Corvo?

A primeira dúvida que nos surgiu quando decidimos conhecer a menor ilha do Arquipélago dos Açores, foi como nos iriamos deslocar até lá. Entre várias pesquisas, descobrimos duas possibilidades:

  • Avião – Existem pequenos aviões de 15 lugares que conseguem aterrar na ilha, os famosos “Q200” com voos diários durante a semana no verão e às Segundas, Quartas e Sextas durante o Inverno, todas estas opções são sujeitas às condições climatéricas.
    Os voos podem ter origem na Ilha das Flores, Ilha de São Miguel ou Ilha do Faial. Encontrarão informações mais específicas no site da Sata*
DSC_0469_1600x1067
  • Barco – Existe também a opção marítima e esta foi a nossa escolha!
    Uma vez que partimos das Flores, recorremos aos serviços do Carlos Mendes – Extremo Ocidente e fomos completamente surpreendidos, como descrevemos aqui*.
    O passeio com a empresa Carlos Mendes – Extremo Ocidente fica por 35euros ida e volta.Existe também a opção de viajar pela Atlanticoline, mas não inclui o passeio pelas grutas e fica aproximadamente por 20euros.
Chegados ao porto da Vila do Corvo, avistamos várias carrinhas no cimo da rua e fomos informados que as mesmas efectuam os tours até ao Caldeirão, por 5 euros.
Escolhemos a empresa Corvo Tours mas como já estava lotada, fomos fazendo parte do PR1 COR até a um miradouro enquanto aguardavamos que o Sr. Fernando voltasse para nos levar até ao Caldeirão.

O que visitar no Corvo?

Seguimos a nossa viagem até ao Caldeirão, sempre com a agradável companhia das histórias do Sr. Fernado e quando lá chegamos, não tinhamos palavras para descrever tamanha beleza. Acreditem que é muito mais bonito ao vivo…
É possível descer até às pequenas lagoas e contemplar a beleza da cratera juntamente com várias vaquinhas!

O Sr Fernando deu-nos 1h para explorar a zona e a viagem seguiu-se ate à pequena praia da ilha, não sem antes pararmos num Miradouro com vista para a Vila e para as Flores.

Chegados à vila, despedimo-nos do nosso simpático guia e fomos a pé explorar os Moinhos de vento e o pequeno Centro.
Actualmente, vivem no Corvo cerca de 450 habitantes e como poderão imaginar, todos se conhecem. Nesta ilha não se trancam os automóveis e as chaves ficam na ignição, e o carteiro sabe o nome de todos os moradores!

Para os amantes de caminhadas, a ilha oferece 2 trilhos, o PR1 COR – Cara do Índio e o PR2 COR. Fizemos parte do PR2 COR, mas se quiserem fazer estes 2 trilhos, terão mesmo que pernoitar na ilha se não, não terão tempo suficiente.

Quando visitar a Ilha do Corvo?

Acreditamos que a melhor altura para viajar para o grupo Ocidental, seja entre Julho e Setembro pois são os meses de verão e o risco de apanhar mau tempo, será menor. Se tiverem oportunidade, visitem as Flores e o Corvo pois são bastante próximas e tem encantos completamente diferentes.

Onde ficar alojado no Corvo?

Se pretendem um hotel na Ilha do Corvo, terão que ter em conta que a oferta hoteleria é muito escassa pois é uma ilha bastante pequena e com pouca população.
Aconselhamos a Guesthouse The Pirates Nest, uma casa de hóspedes com cozinha partilhada, jardim, espaço para churrascos e comodidades confortáveis. Este alojamento encontra-se muito próximo do aeroporto.

Dicas práticas

*Roupa própria para caminhada, para tirar partido dos trilhos e não se esqueçam de um impermeável.
*Se ficarem mais que um dia, reservem a estadia com alguma antecedência, pois existem poucos locais para pernoitar e a reservas rapidamente ficam indisponíveis.
*Levem alguns mantimentos e água, se pretenderem fazer os trilhos.
*Façam um seguro de viagens para estarem sempre protegidos.

Sabiam que o Corvo é conhecido como a Ilha Preta?

É assim conhecido pois é a única ilha- vulcão dos Açores e os muros que dividem os campos, são constituidos por pedras escuras!

Regressamos às Flores, arrependidos por não termos optado por pernoitar na ilha porque apesar de ser pequena, ficamos com vontade de a conhecer melhor e de conviver com os habitantes locais.
Se quiserem saber mais sobre a Ilha das Flores, encontrarão o post aqui*.

Boas viagens!!

Planeia a tua viagem

Se gostas de organizar a tua viagem e fazer as tuas reservas, poderás utilizar os links do Gato Vadio para planeares as tuas viagens. Não irás pagar mais nada por isso, e dessa forma, ajudarás o Gato Vadio a manter-se ativo.

  • Reserva os melhores hotéis no Booking.com, tal como nós!
  • Faz o teu seguro de viagem na IATI Seguros ( e ainda recebes 5% de desconto).É importante ires tranquilo e protegido.
  • Evita taxas bancárias, utilizando o cartão Revolut. É o nosso melhor amigo das viagens.

2 Replies to “Corvo, a ilha preta”

  1. Essa travessia de barco parece ser incrível!

    1. É fantástica! E muito divertida… 😅😅😅

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.